News

O adolescente alemão que mora nos trens

Lasse Stolley viajou 650 mil quilómetros, enquanto esteve sentado nos comboios durante mais de 6.700 horas.

Frankfurt, Alemanha:

Lasse Stolley estava procurando uma mudança de cenário depois que um aprendizado planejado fracassou. Há quase dois anos, o adolescente começou a viver em trens alemães.

A jornada épica levou o jovem de 17 anos de uma pequena comunidade no extremo norte da Alemanha, varrido pelos ventos, até a fronteira sul do país e além.

Partindo em agosto de 2022, ele viajou impressionantes 650.000 quilômetros (400.000 milhas), o equivalente a dar a volta à Terra mais de 15 vezes, enquanto ficou sentado em trens por mais de 6.700 horas.

“Poder decidir todos os dias para onde quero ir é simplesmente fantástico – isso é liberdade”, disse Stolley à AFP numa entrevista num café na estação ferroviária de Frankfurt.

“Gosto de poder olhar pela janela enquanto viajo e observar a paisagem passando rapidamente… e do fato de poder explorar todos os lugares da Alemanha.”

Ele viaja apenas com uma mochila e vive principalmente de pizza e sopa que – como titular de um passe de trem – consegue gratuitamente nas salas VIP das estações da operadora ferroviária Deutsche Bahn.

Início difícil

Com seu sorriso largo, o adolescente esbelto parece uma figura improvável por ter decidido trocar o conforto da casa de sua família pelos rigores da vida nos trilhos.

Ele tinha pouco interesse em trens enquanto crescia. Ele nunca foi proprietário de um modelo ferroviário e só viajou duas vezes nos trens de alta velocidade ICE da Alemanha antes de decidir começar a viver permanentemente na rede logo após completar 16 anos.

Mas depois de terminar o ensino secundário, uma aprendizagem planeada em programação de computadores fracassou. Procurando o que fazer a seguir, ele se deparou com um documentário sobre alguém que morou em trens.

“Achei que poderia fazer isso”, disse ele.

“No início era apenas uma ideia, uma ideia tão irrealista. Mas depois continuei a entrar nisso… e depois pensei: 'OK, vou realmente fazer isto.'”

Depois de inicialmente tentarem dissuadi-lo, seus pais decidiram apoiá-lo.

Ele comprou um cartão ferroviário que lhe garantia viagens ilimitadas na rede e partiu de sua casa em Fockbek, no estado de Schleswig-Holstein, no norte, em direção a Hamburgo, de onde pegou um trem noturno para Munique.

Os primeiros dias foram difíceis. Stolley não conseguia dormir à noite – seu cartão de trem não permite que ele use trens noturnos com camas – e voltava para casa com frequência para ver sua família.

Mas logo ele se acostumou a viver nos trens.

Ele comprou um colchão inflável que usava para dormir nas grandes áreas de bagagem dos trens de alta velocidade à noite.

E depois de um ano, ele atualizou seu cartão de viagem para um de primeira classe – que custa 5.888 euros (6.400 dólares) por ano – permitindo-lhe acesso a carruagens mais espaçosas e aos lounges da Deutsche Bahn.

Romance Ferroviário

Agora ele não precisa mais do colchão inflável e pode dormir tão confortavelmente ereto em um assento de trem que tem dificuldade em dormir em uma cama normal.

“Em uma cama normal, sinto falta do balanço do trem que me sacode um pouco à noite”, disse ele.

Stolley até trabalha em trânsito, fazendo um trabalho de meio período programando aplicativos para uma start-up.

Ele viaja frequentemente para grandes cidades, como a capital Berlim ou Frankfurt, centro financeiro do país.

Ele também viaja frequentemente para cidades menores e viaja pelos Alpes, e já esteve em Basileia, na Suíça, e em Salzburgo, na Áustria, logo depois da fronteira alemã – os pontos mais ao sul cobertos por seu cartão ferroviário.

Mas viver na rede ferroviária alemã, que os críticos dizem estar num estado lamentável após anos de subinvestimento, não é isento de desafios.

“Atrasos e outras questões são certamente assuntos diários”, disse Stolley.

Os funcionários dos trens têm realizado greves regulares enquanto pressionavam por melhores salários e condições, paralisando a rede e fazendo com que Stolley fosse forçado a dormir nos aeroportos.

Questionada sobre o que pensam de alguém que escolhe viver a bordo dos seus comboios de forma permanente, a Deutsche Bahn não quis comentar.

Ainda assim, embora a vida nas férreas da Alemanha possa por vezes ser uma dor de cabeça, também pode ter vantagens inesperadas – Stolley encontrou romance durante as suas viagens, encontrando a sua namorada no salão da estação ferroviária de Colónia.

Stolley disse que não sabe por quanto tempo continuará vivendo como um vagabundo digital pós-moderno – talvez por mais um ano, ou cinco.

“No momento, estou me divertindo muito e vivenciando muitas coisas todos os dias”, disse ele.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button