News

Europa se prepara para a guerra enquanto o conflito na Ucrânia se aproxima, segundo relatório

Mais de três quartos dos países europeus gastaram mais nas suas forças armadas em 2023, concluiu um relatório, uma vez que a região mais pacífica do mundo teme uma possível expansão da guerra da Rússia contra a Ucrânia.

A 18ª edição do Índice de Paz Global (GPI), produzido pelo Instituto de Economia e Paz (IEP), com sede na Austrália, alertou na terça-feira que o mundo estava numa encruzilhada, com o número global de conflitos a atingir 56, o maior desde o Mundial. Segunda Guerra.

Noventa e sete países deterioraram-se em termos de paz em 2024, mais do que em qualquer ano desde o início do relatório em 2008.

As guerras também se tornaram mais internacionais, com 92 países envolvidos em conflitos fora das suas fronteiras, o maior número desde que o GPI começou a registar a paz.

“Na última década, a tranquilidade diminuiu em nove dos 10 anos. Estamos a assistir a um número recorde de conflitos, a um aumento da militarização e a uma maior concorrência estratégica internacional”, afirmou Steve Killelea, fundador e presidente executivo do IEP.

“É imperativo que os governos e as empresas em todo o mundo intensifiquem os seus esforços para resolver os muitos conflitos menores antes que se transformem em crises maiores”, disse Killelea.

Embora a Europa alberge sete dos 10 países mais pacíficos, 23 dos 36 países da região tornaram-se menos pacíficos.

A Suécia, que em Março se tornou o mais recente membro da NATO temendo um conflito com a Rússia, registou a maior queda na Europa. Caiu 22 posições, ficando em 39º lugar, o nível mais baixo de tranquilidade desde 2008.

Globalmente, oito das nove regiões do mundo tornaram-se menos pacíficas. A Rússia e a Eurásia foram a única região a melhorar, em média, durante o ano passado, embora tanto a Rússia como a Ucrânia tenham registado uma deterioração.

A guerra Rússia-Ucrânia levou a Europa a reavaliar os níveis de despesas militares e a prontidão de combate, com 30 dos 39 países europeus a registarem uma deterioração neste domínio durante o ano passado.

“Já passaram 80 anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial e as crises actuais sublinham a urgência dos líderes mundiais se comprometerem a investir na resolução destes conflitos”, disse Killelea.

A militarização aumentou em 91 países, invertendo a tendência dos 15 anos anteriores, concluiu o relatório, à medida que o número crescente de conflitos menores aumentava a probabilidade de conflitos maiores no futuro.

‘Guerras eternas’

A crescente complexidade e a crescente internacionalização dos conflitos reduziram a probabilidade de alcançar soluções duradouras, levando a “conflitos eternos”, como os que assolam a Ucrânia e Gaza.

O conflito armado também estava a mudar como resultado da tecnologia militar e do aumento da concorrência geopolítica.

Com o número de estados que utilizam drones a aumentar de 16 para 40 – um aumento de 150 por cento entre 2018 e 2023 – a tecnologia de guerra tornou mais fácil para grupos não estatais ou estados mais pequenos e menos poderosos travarem conflitos.

O custo humano da guerra também atingiu níveis recordes.

Nos primeiros quatro meses de 2024, 47 mil pessoas morreram em consequência de conflitos globais.

Se a mesma taxa continuar durante o resto deste ano, seria o maior número de mortes em conflitos desde o genocídio no Ruanda em 1994.

Em comparação, 2023 registou 162 mil mortes relacionadas com conflitos, o segundo maior número de mortes nos últimos 30 anos. Os conflitos na Ucrânia e em Gaza, onde mais de 37 mil pessoas foram mortas em oito meses, foram responsáveis ​​por quase três quartos das mortes.

As perdas económicas resultantes dos conflitos são terríveis, segundo o relatório. O efeito económico global da violência em 2023 foi de 19,1 biliões de dólares ou 2 380 dólares por pessoa, marcando um aumento de 158 mil milhões de dólares, impulsionado em grande parte por um aumento de 20 por cento nas perdas do produto interno bruto (PIB) resultantes de conflitos.

A Ucrânia estava entre os países que incorreram no maior custo económico relativo da violência em 2023, equivalente a 68,6% do PIB.

“Os conflitos afectam negativamente a economia global e o risco empresarial resultante de conflitos nunca foi tão elevado, agravando as actuais vulnerabilidades económicas globais”, disse Killelea.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button