News

Primeiro-ministro eslovaco enfrenta derrota chocante nas eleições da UE após tentativa de assassinato

Robert Fico, 59 anos, opõe-se à ajuda militar à Ucrânia na sua luta contra a invasão russa.

Bratislava:

O primeiro-ministro da Eslováquia, Robert Fico, sofreu uma derrota surpreendente nas eleições da UE para os liberais da oposição no domingo, semanas depois de ter sido gravemente ferido numa tentativa de assassinato, disse o seu partido.

O partido nacionalista de esquerda Smer-SD de Fico expressou “parabéns ao vencedor das eleições, a Eslováquia Progressista” e aos seus novos membros do parlamento europeu, na sua página do Facebook.

Fico, 59 anos, opõe-se à ajuda militar à Ucrânia na sua luta contra a invasão russa.

As últimas sondagens de opinião indicavam que ele era o favorito para liderar a votação, no que foi visto como um sinal de que a tentativa de assassinato tinha aumentado o apoio ao seu partido.

A Eslováquia Progressista (PS) obteve 27,81 por cento dos votos nas eleições de domingo, o que significa seis assentos no Parlamento Europeu, de acordo com resultados amplamente divulgados nos meios de comunicação eslovacos antes da sua publicação oficial.

O Smer-SD obteve 24,76 por cento, o que lhe rendeu cinco assentos na assembleia da UE de 720 membros.

O partido de extrema direita Republika ficou em terceiro lugar, com 12,53 por cento e duas cadeiras, mostraram os resultados.

Fico foi baleado quatro vezes à queima-roupa em 15 de maio, enquanto cumprimentava apoiadores após uma reunião do governo.

O suposto atirador, identificado pela mídia eslovaca como o poeta Juraj Cintula, de 71 anos, foi acusado de tentativa de homicídio premeditado e está sob custódia.

Num vídeo divulgado na quarta-feira, Fico culpou os seus adversários por fomentar o “ódio” que levou ao ataque.

O analista político Daniel Kerekes sugeriu que o ataque mobilizou os apoiantes do PS para votarem tanto como os do Smer-SD.

“Não foi apenas o Smer-SD que se aproveitou do ataque. Os partidos da oposição, especialmente o PS, cujos eleitores estão preocupados com a situação na Eslováquia, também fizeram progressos significativos”, disse à AFP.

O presidente do PS, Michal Simecka, antigo vice-presidente do Parlamento Europeu, disse que os eleitores enviaram “uma mensagem muito importante a este governo: abrandem, porque não podem fazer o que quiserem”.

A participação foi superior à das eleições anteriores da UE no país, com pouco menos de 35 por cento.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button