News

Explicado: Do ​​comércio ao clima, 5 conclusões das eleições na União Europeia

A mudança para a direita poderá ter influência numa série de áreas políticas importantes.

Bruxelas:

O Parlamento Europeu deu uma guinada para a direita depois de uma eleição de quatro dias concluída no domingo, com mais nacionalistas eurocépticos e menos liberais e Verdes tradicionais.

O papel mais importante do parlamento é rever e aprovar nova legislação e geralmente apresenta alterações sobre as quais ele e os governos da UE precisam de concordar antes que os regulamentos ou directivas da UE possam entrar em vigor.

A assembleia da UE também terá de aprovar o próximo presidente da Comissão Europeia – muito provavelmente a atual Ursula von der Leyen para um segundo mandato – e os seus outros 26 comissários.

A mudança para a direita poderá ter influência numa série de áreas políticas importantes no próximo mandato de cinco anos.

CLIMA

Os próximos cinco anos serão cruciais para determinar se a Europa atingirá as suas metas em matéria de alterações climáticas para 2030.

A UE passou os últimos cinco anos a aprovar um pacote abundante de leis sobre energia limpa e redução de CO2 para atingir as suas metas para 2030, e essas políticas serão difíceis de desfazer.

Mas um Parlamento da UE mais cético em relação ao clima poderia tentar adicionar lacunas para enfraquecer essas leis, uma vez que muitas deverão ser revistas nos próximos anos – incluindo a eliminação progressiva da venda de novos automóveis com motor de combustão no bloco, em 2035, que enfrentou críticas durante a campanha eleitoral da UE, incluindo de legisladores do grupo político de centro-direita de von der Leyen.

O Parlamento Europeu também negociará com os países da UE um novo objectivo juridicamente vinculativo para reduzir as emissões até 2040. Esse objectivo definirá o rumo para uma futura onda de políticas para reduzir as emissões na década de 2030 em todos os sectores, desde a agricultura, à indústria, até transporte.

DEFESA, UCRÂNIA

A política externa e de defesa é principalmente da competência dos países membros da UE, e não do Parlamento Europeu. Portanto, o resultado das eleições não deverá ter qualquer impacto imediato no apoio da UE à Ucrânia ou em questões militares.

No entanto, o Parlamento terá um papel a desempenhar nos planos para encorajar a cooperação pan-europeia entre países e empresas em projectos de defesa e para levar os governos a comprar mais equipamentos militares europeus. O Programa Industrial de Defesa da Comissão Europeia, que visa concretizar esses objetivos, precisa do consentimento dos governos da UE e do Parlamento Europeu.

Os ganhos para os partidos que se opõem a uma maior integração europeia podem tornar estas ambições mais difíceis de alcançar. Da mesma forma, para que os planos da Comissão tenham alguma influência real, serão necessários muito dinheiro do próximo orçamento de longo prazo da UE, que também terá de ser aprovado pelo Parlamento.

TROCA

O principal papel do Parlamento Europeu na política comercial da UE consiste em aprovar acordos de comércio livre antes que estes possam entrar em vigor. Não está diretamente envolvido na defesa comercial, como a imposição de tarifas.

A Comissão Europeia e alguns líderes da UE argumentam que o bloco precisa de mais acordos comerciais com parceiros confiáveis ​​para compensar os negócios perdidos com a Rússia e reduzir a dependência da China.

Vários acordos comerciais ainda aguardam aprovação, como o acordo com o México e o bloco sul-americano Mercosul, enquanto a Comissão Europeia também procura fechar acordos com países como a Austrália.

Todos esses acordos, e o acordo do Mercosul em particular, enfrentaram oposição e a sua aprovação no parlamento poderia ser ainda mais difícil com um maior número de eurocépticos nacionalistas.

RELAÇÕES CHINA, EUA

A Comissão Europeia argumenta que a UE precisa de apresentar uma posição unida em relação a grandes rivais como a China e os Estados Unidos, especialmente se o antigo Presidente Donald Trump regressar à Casa Branca.

Afirma também que a União Europeia precisa de uma estratégia industrial unificada mais clara para continuar a ser uma importante base industrial para produtos verdes e digitais, à medida que os rivais injetam subsídios maciços.

Os críticos dizem que os partidos nacionalistas de direita defendem uma Europa mais frouxa e fragmentada, que será menos capaz de enfrentar estes desafios.

ALARGAMENTO, REFORMA

A UE precisa de reformar a sua política agrícola interna e a forma como apoia os seus membros na equalização dos padrões de vida antes de admitir novos países, especialmente os grandes como a Ucrânia, porque o actual sistema de transferências já é visto como demasiado dispendioso.

Para admitir novos membros – Ucrânia, Moldávia e os países dos Balcãs Ocidentais – a UE também terá de mudar a forma como toma decisões, reduzindo a necessidade de unanimidade, que se revela cada vez mais difícil de alcançar.

Se tais reformas forem propostas nos próximos cinco anos, o parlamento terá um papel crucial a desempenhar na sua definição e uma voz mais forte da extrema-direita, que se opõe a uma integração mais profunda na UE, poderá ter um impacto importante.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button