News

“As pessoas estavam gritando”: moradores de Gaza relembram operação israelense de resgate de reféns

37.084 pessoas mortas em Gaza, segundo o Ministério da Saúde de Gaza. (Arquivo)

Territórios Palestinos:

Um dia depois de as forças especiais israelitas terem resgatado quatro reféns de Gaza, os palestinianos relataram o seu pânico durante os intensos tiroteios e explosões que abalaram a área e reduziram edifícios a escombros.

Embora os israelenses tenham se regozijado com o retorno seguro dos quatro cativos, as autoridades em Gaza, controlada pelo Hamas, denunciaram um “massacre”, no qual disseram que 274 pessoas foram mortas e 698 ficaram feridas no lotado campo de refugiados de Nuseirat.

Logo após o início do ataque, por volta das 11h00 (08h00 GMT), na movimentada área do mercado de Nuseirat, choviam bombas e transformavam o bairro em “fumaça e chamas”, disse Muhannad Thabet, um morador de 35 anos.

“As pessoas gritavam – jovens e velhos, mulheres e homens”, disse ele por telefone. “Todos queriam fugir do local, mas o bombardeio foi intenso e quem se mexesse corria o risco de morrer devido ao forte bombardeio e aos tiros.

“As casas foram destruídas com seus ocupantes dentro. Houve também um grande número de pessoas deslocadas e lojas, barracas e carros pegaram fogo devido aos bombardeios”.

Israel enviou uma equipe de forças especiais composta por tropas, policiais e agentes do Shin Bet que invadiram simultaneamente dois edifícios para extrair os reféns – Noa Argamani, 26, Almog Meir Jan, 22, Andrey Kozlov, 27, e Shlomi Ziv, 41.

Eles encontraram pouca resistência em um, mas tiros pesados ​​no outro e recuaram sob ataque com armas e granadas para levar os reféns a helicópteros próximos, disse o porta-voz militar, contra-almirante Daniel Hagari.

Outro porta-voz militar, Peter Lerner, disse à rede norte-americana ABC que “as forças foram atacadas por uma ameaça de 360 ​​graus – RPGs, AK-47, dispositivos explosivos, morteiros. Era… uma zona de guerra”.

'Ninguém conseguia se mover'

Testemunhas oculares disseram que o ataque e a retirada israelense foram cobertos por pesados ​​ataques aéreos, bem como por disparos de drones e tanques.

Vários disseram à AFP que viram corpos nas ruas, o que a AFP não pôde verificar de forma independente.

À medida que os combates se intensificavam, os feridos foram levados para um dos hospitais de Gaza, disseram os médicos.

“O hospital estava cheio de mártires e feridos, e era impossível acomodar um número tão grande em poucos minutos”, disse o médico Marwan Abu Nasser, funcionário do centro de saúde Al-Awda, perto do campo.

“É claro que o hospital estava sob fogo e ninguém conseguiu se mover durante a operação.”

Observando do seu telhado, outro morador local, Mohammed Moussa, disse que ficou aterrorizado quando avistou um tanque israelense na rua abaixo, com fogo de artilharia caindo.

“Eu deveria estar morto”, maravilhou-se o jovem de 29 anos após o término da batalha, deixando grande parte da área coberta de escombros e poeira pesada que cobria as ruas de cinza.

A guerra mais sangrenta de sempre em Gaza eclodiu após o ataque do Hamas, em 7 de Outubro, ao sul de Israel, que resultou na morte de 1.194 pessoas, a maioria civis, segundo um balanço da AFP baseado em números oficiais israelitas.

Os agentes também fizeram cerca de 251 reféns, dos quais 116 permanecem agora em Gaza, embora o exército afirme que 41 deles estão mortos.

A ofensiva militar retaliatória de Israel matou pelo menos 37.084 pessoas em Gaza, também a maioria civis, de acordo com o ministério da saúde do território.

Tropas 'disfarçadas de Hamas'

Várias testemunhas relataram ter visto forças israelitas saírem de um camião frigorífico, vestidas com trajes de agentes palestinianos, numa aparente tentativa de confundir os seus inimigos, embora isto também não tenha podido ser verificado de forma independente.

Alaa al-Khatib, uma mulher deslocada que vive no campo, disse à AFP que estava caminhando para um mercado quando viu pessoas saindo de um caminhão refrigerado e saindo de um pequeno carro branco.

Eles então pegaram uma escada e começaram a subir até o andar superior de um prédio próximo, disse ela.

“Momentos depois, ouvi tiros e explosões vindos das casas, bairros e ruas do acampamento”, disse ela.

“Fiquei sabendo que as forças especiais israelenses se infiltraram no campo com veículos de ajuda palestinos, tudo como uma distração para desviar a atenção das pessoas no campo da operação para a qual vieram, para libertar os reféns israelenses”.

Várias outras testemunhas relataram detalhes semelhantes à AFP, nomeadamente a presença de um camião frigorífico.

“Eles usavam roupas como as do Hamas e da Jihad Islâmica, e alguns estavam mascarados”, disse outro morador local, Mahmoud al-Assar, 27 anos.

Relembrando a intensidade da batalha que logo eclodiu e devastou vários quarteirões da cidade, Assar disse que “o que aconteceu no acampamento foi como um terremoto”.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button